TRT-12 reitera aplicação de IPCA-E e Selic a dívidas trabalhistas

Mudança de estrutura empresarial não afeta contrato de trabalho

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email


Decisões definitivas de mérito em ações diretas de inconstitucionalidade têm eficácia imediata e vinculante, sem necessidade de aguardar o seu trânsito em julgado.

Reprodução

Assim, a 5ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região determinou, para correção monetária de créditos trabalhistas, a aplicação do índice nacional de preços ao consumidor amplo especial (IPCA-E) na fase pré-judicial e da taxa Selic a partir da citação inicial, em uma ação movida por um motorista de caminhão.

O trabalhador conduzia um caminhão betoneira a serviço de uma distribuidora de cimento. Em 2017, quando foi contratado, ele acionou a Justiça para pedir horas extras, adicional de insalubridade e intervalos intrajornada. No mesmo ano, a 4ª Vara do Trabalho de Florianópolis acolheu parcialmente os pedidos e condenou a empresa a pagar um montante de R$ 35 mil.

A ré foi informada de que seria usado o IPCA-E para apurar o valor corrigido da condenação. Por isso, pediu a adoção da Taxa Referencial (TR), conforme previsto pela CLT.

Em dezembro do último ano, o Supremo Tribunal Federal decidiu que devem ser aplicados o IPCA-E e a Selic, e não a TR — que está em desuso e atualmente no valor de 0% ao ano.

A distribuidora argumentou que a decisão ainda é objeto de embargos declaratórios, e por isso pode ser modificada. Porém, o relator, juiz convocado Narbal Fileti, lembrou que o próprio STF já autorizou o julgamento imediato de causas relacionadas a temas com precedente firmado pelo Plenário, independentemente de publicação ou trânsito em julgado. Com informações da assessoria de imprensa do TRT-12.

Clique aqui para ler o acórdão

0000633-55.2017.5.12.0034





Fonte: https://www.conjur.com.br/

Leia também