Diretórios nacionais de partidos não respondem por dívidas municipais

(Imagem:  Fellipe Sampaio

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email


Quem deve arcar com as dívidas contraídas pelo diretório municipal ou estadual de um partido político: os próprios ou o diretório nacional da legenda?

O STF respondeu esta questão na tarde desta quarta-feira, 22 – os responsáveis pelas dívidas (inclusive as civis e trabalhistas) são os respectivos órgãos municipais ou estaduais das agremiações.

Quem deve arcar com as dívidas contraídas pelo diretório municipal ou estadual de um partido político: os próprios ou o diretório nacional da legenda? A questão foi suscitada por partidos políticos.

Na ação, as agremiações pedem que o STF declare a constitucionalidade do artigo 15-A da lei dos partidos políticos. Tal dispositivo foi alterado pela minirreforma Eleitoral e estabelece que a responsabilidade (inclusive civil e trabalhista) cabe exclusivamente ao órgão partidário municipal, estadual ou nacional que tiver dado causa ao não cumprimento da obrigação. A letra da lei diz o seguinte:

“Art. 15-A.  A responsabilidade, inclusive civil e trabalhista, cabe exclusivamente ao órgão partidário municipal, estadual ou nacional que tiver dado causa ao não cumprimento da obrigação, à violação de direito, a dano a outrem ou a qualquer ato ilícito, excluída a solidariedade de outros órgãos de direção partidária.”

Segundo as legendas que ajuizaram a ação, “em razão do caráter nacional dos partidos políticos, algumas autoridades e/ou órgãos judiciais vêm proclamando a invalidade da norma insculpida no art.15-A da lei dos partidos políticos e, em razão disso, reconhecendo a responsabilidade solidária das esferas partidárias superiores”.

  • Cada diretório é responsável por suas obrigações

O ministro Dias Toffoli (relator) julgou procedente a ação; ou seja, para Dias Toffoli a lei é constitucional. De acordo com o ministro, a exigência não ofende o caráter nacional dos partidos políticos. Nesse sentido, o relator destacou que a norma é “razoável e proporcional”.

Inicialmente, Dias Toffoli explicou que, de fato, existem divergências de entendimento sobre a matéria nos Tribunais: enquanto alguns entendem que as dívidas são de responsabilidade de cada órgão partidário; outros concluem que a responsabilidade é solidária entre o órgão respectivo e o nacional. Por isso, segundo o ministro, é necessária a manifestação do Supremo sobre a matéria.

Em seguida, Toffoli registrou que a regra da responsabilidade não existe isoladamente na lei impugnada: “verifica-se que todas as normas são fundadas na mesma premissa de que os órgãos partidários de diferentes níveis possuem liberdade e capacidade jurídica para a prática de atos da vida civil e, portanto, devem responder pelas obrigações que individualmente assumirem”.

Ademais, Toffoli salientou que é necessária a autocontenção do Judiciário frente ao Legislativo e as suas leis. Em suma, o ministro concluiu que inexiste incompatibilidade entre a norma impugnada e a Constituição Federal, “porquanto compatível com o regime de responsabilidade estabelecido desde 1988”.

Os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Luiz Fux e a ministra Cármen Lúcia acompanharam o relator. 

  • Responsabilidade subsidiária

Para o ministro Nunes Marques, a responsabilidade exclusiva dos órgãos partidários, especialmente no que se refere às dívidas civis e trabalhistas, pode demonstrar irresponsabilidade do partido político por atos de seus órgãos “e isso não é compatível com a Constituição”.

O ministro explicou que os partidos políticos são partidos políticos de direito privado, mas que seus os órgãos partidários não têm personalidade jurídica, embora tenham “notável grau de autonomia”: “admitir que a lei possa isolar os órgãos partidários para efeito de responsabilização civil é o mesmo que admitir que a pessoa jurídica possa ficar imune da responsabilidade por seus atos”, afirmou.

Nesse sentido, de acordo com Nunes Marques, não é admissível que uma pessoa jurídica de direito privado, solvente, deixe de responder por obrigações nascidas a partir de atos de seus órgãos internos.

Nunes Marques, então:

  • Declarou a constitucionalidade da norma (Art. 15-A da lei 9.695 com redação dada pela lei 12.034/09) no ponto que exclui a responsabilidade solidária entre os diferentes órgãos dos partidos políticos;
  • Deu interpretação conforme a Constituição de maneira a esclarecer que a expressão “cabe exclusivamente” não exclui a responsabilização subsidiária e recíproca entre os diversos órgãos do mesmo partido político;

O voto do ministro foi no sentido da procedência parcial. 

  • Responsabilidade do diretório nacional

Abrindo outra corrente de entendimento, o ministro Alexandre de Moraes concluiu que a lei é inconstitucional e que os diretórios nacionais devem ser responsabilizados. 

Moraes entendeu que os partidos políticos se parecerem mais a empresas que “têm filiais” nos Estados, do que propriamente a um sistema federalista. Além da comparação, o ministro explicou que a principal arrecadação dos partidos é nacionalizada e oriunda de recursos públicos: “não há um único estatuto partidário que estabelece uma divisão proporcional de fundo partidário entre partido nacional, estadual e municipal”.

Para o ministro, até seria possível excluir a solidariedade se houvesse uma previsão constitucional da obrigatoriedade do fundo partidário ser dividido entre estrutura nacional, estadual e municipal, “só que não existe isso”.

“Qual a garantia dos credores? Os entes estaduais e municipais não têm autonomia financeira, eles dependem da boa vontade e dos repasses dos entes nacionais.”

O ministro, então, julgou a ação totalmente improcedente. A ministra Rosa Weber e o ministro Ricardo Lewandowski acompanharam o entendimendo de Moraes.

(Imagem:  Fellipe Sampaio | SCO | STF)

(Imagem: Fellipe Sampaio | SCO | STF)



Fonte: https://www.migalhas.com.br/

Leia também