STJ mantém suspensão de prescrição de ação contra Beto Richa

STJ mantém suspensão de prescrição de ação contra Beto Richa

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

O prazo prescricional para processar governador estadual em ação penal deve ser considerado suspenso durante todo o período em que o Superior Tribunal de Justiça esteve impedido de fazê-lo devido à ausência de autorização da Assembleia Legislativa local. 

Processo contra ex-governador Beto Richa ficou parado no STJ por falta de autorização da Assembleia Legislativa do Paraná 
Reprodução

Com esse entendimento, a 6ª Turma do STJ negou Habeas Corpus impetrado pela defesa de Beto Richa, ex-governador do Paraná. A decisão mantém a tramitação de ação penal em que o tucano é réu por utilização de recursos da educação em finalidade diversa na época em que era prefeito de Curitiba.

Richa renunciou à prefeitura em 2010 para ser eleito a governador estadual, cargo que ocupou entre 2011 e 2018. Por prerrogativa de foro, o caso subiu ao STJ. Relator, o ministro Herman Benjamin suspendeu a ação penal em agosto de 2012, com base no artigo 89 da Constituição Estadual do Paraná, que determina necessária a autorização da Assembleia Legislativa para processar o governador.

Ao fazê-lo, o ministro seguiu jurisprudência pacífica do Supremo Tribunal Federal segundo a qual a suspensão da ação penal nessas hipóteses suspende também o prazo prescricional.

Em 2017, a norma foi estadual considerada inconstitucional pelo STF, o que levou à retomada da ação penal. O ministro Herman Benjamin então declinou da competência e a remeteu o caso à 23ª Vara Federal de Curitiba.

No Habeas Corpus, a defesa de Beto Richa defendeu que o tempo de suspensão seja contado no prazo prescricional, o que levaria à extinção da punibilidade. Isso porque a decisão do Supremo na ADI 5.540 não modulou seus efeitos.

“Melhor dos dois mundos”

Para a defesa, ou a regra do artigo 89 da Constituição Estadual é constitucional e, por isso, o STJ não poderia ter dado continuidade à ação penal, ou ela é inconstitucional em sua inteireza, inclusive na parte em que possibilitava a suspensão do prazo prescricional.

Relator, o ministro Rogério Schietti destacou que a pretensão da defesa é “buscar o melhor dos mundos possíveis”. “Como bem dito pelo Ministério Público Federal, prazo prescricional pressupõe inércia, que não ocorreu diante da impossibilidade jurídica de exercício da actio poenalis [ação penal] pelo MP, diante de uma norma que vigia e era amparada por intepretação do Supremo Tribunal Federal”, apontou.

Essa interpretação foi derrubada pelo julgamento de quatro ADIs pelo STF contestando normas semelhantes, que condicionavam a ação penal contra governadores à autorização da Assembleia Legislativa. A interpretação adotada, segundo o relator, é de que em nenhum momento se afastou a jurisprudência pacífica do STF quanto à suspensão da prescrição nas hipóteses.

Anti-impunidade

“E não poderia, ao meu modo de ver, ser de ouro modo. A verdade é que o que houve foi a eliminação de uma regra que representava, na prática, a impunidade”, destacou o ministro Schietti. A interpretação dada pelo STF visava evitar justamente a ocorrência de prescrição em casos em que o governador estivesse amparado pelo apoio político — ou dele se utilizasse — da Assembleia Legislativa.

“Assim, não vislumbro, ao menos por ora, constrangimento ilegal a sanar em sede de medida de urgência, de modo que a controvérsia será analisada na oportunidade própria do seu julgamento definitivo”, concluiu o relator, que foi acompanhado por unanimidade.

HC 565.086

Leia também