Barroso convoca audiência pública para discutir problemas ambientais

Juíza determina ações contra desmatamento na Amazônia

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal, convocou uma audiência pública para discutir os problemas do meio ambiente no Brasil. A audiência vai ocorrer nos dias 22 e 23 de setembro e reunirá integrantes do governo, entidades de proteção ambiental, especialistas no assunto e demais interessados, com a intenção de produzir um “relato oficial objetivo” sobre a situação.

O drama do desmatamento na Amazônia se aprofundou desde o começo de 2019
Agência Brasil

A decisão do ministro foi consequência da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão 60, que foi apresentada do STF pelos partidos PT, PSOL, PSB e Rede, todos de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro. Eles apontaram diversos problemas na gestão da área pelo Poder Executivo federal, como o fato de terem sido usados apenas R$ 718 mil dos R$ 8 milhões previstos no Orçamento para emergências climáticas.

Além disso, os partidos alegaram que o governo foi omisso ao não adotar providências para o funcionamento do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima), que, segundo a ADO 60, foi indevidamente paralisado em 2019 e 2020.

O ministro se convenceu com os argumentos dos partidos de oposição e afirmou que a situação do meio ambiente no Brasil é muito ruim.

“São graves as consequências econômicas e sociais advindas de políticas ambientais que descumprem compromissos internacionais assumidos pelo Brasil. (…) O quadro descrito na petição inicial, se confirmado, revela a existência de um estado de coisas inconstitucional em matéria ambiental, a exigir providências de natureza estrutural. Vale reiterar: a proteção ambiental não constitui uma opção política, mas um dever constitucional”, afirmou o ministro.

Em sua decisão, Barroso destacou que o desmatamento na Amazônia vem crescendo desde 2013, mas nos dois últimos anos a situação se agravou, com o avanço de queimadas e invasões de terras indígenas e de unidades de conservação “em proporções alarmantes”.

“Os danos causados ao meio ambiente comprometem a biodiversidade, a fauna e a flora, que representam enorme potencial econômico e um diferencial para o país. Minam a credibilidade do Brasil internacionalmente, prejudicando a sua capacidade de captação de recursos para o combate ao desmatamento e para a redução de gases de efeitos estufa”, escreveu o ministro na decisão.

Clique aqui para ler a decisão

ADO 60

Leia também