Vítima de injúria não pode se retratar para livrar agressor

Vítima de injúria não pode se retratar para livrar agressor

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Oferecida a denúncia por injúria, a parte ofendida não pode mais voltar atrás, liberando o réu do processo penal. É que a chamada retratação só é válida diante dos crimes de calúnia e difamação, sendo totalmente afastada a hipótese para injúria, como dispõe o artigo 143 do Código Penal.

Reprodução

Assim, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul cassou a decisão judicial que extinguiu um processo de injúria qualificada numa comarca do interior. O ofendido resolveu “aliviar” as ofensas do agressor, mas já tinha dado início ao que se tornaria a ação penal pública, ajuizada pelo Ministério Público. Com a reforma do julgado, a ação penal terá regular prosseguimento no juízo de origem.

O relator da apelação-crime, desembargador Manuel José Martinez Lucas, tomou como razões de decidir o parecer do procurador de Justiça com assento no colegiado, Sérgio Guimarães Britto. O representante do MP explicou que, se a injúria estiver lastreada em elementos referentes a cor da pele, raça, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência, a ação penal será pública, condicionada à representação do ofendido, como dispõe a Lei 12.033/09.

Para Britto, a possibilidade de exclusão de punibilidade em casos de injúria se dá apenas por retorsão (represália verbal instantânea da pessoa injuriada) ou agressões recíprocas — o que não é o caso dos autos.

“Com efeito, tendo o réu, expressa e notoriamente, proferido ofensa profunda, com o claro intuito de atingir a dignidade da vítima, e ligada às suas condições pessoais (…), está sujeito às sanções do artigo 140, § 3º, do Código Penal, sem possibilidade de retratação da representação”, registrou o parecer. O acórdão foi lavrado na sessão virtual de 18 de junho.

Bate-boca familiar

No dia 27 de novembro de 2014, por volta das 18h, no município de Campo Novo (RS), José Mário Casali ofendeu o seu ex-sogro Rosalino Siqueira, quando ambos discutiam sobre um processo movido pela ex-mulher. No calor do bate-boca, ele o chamou de “sujo, vesgo e vadio”. A vítima é deficiente visual no olho esquerdo e foi injuriada na via pública, na presença de transeuntes.

Em 23 de outubro de 2015, Rosalino apresentou queixa contra José Mário, por crime contra a honra. O réu foi denunciado como incurso nas sanções do artigo 140, parágrafo 3º, do Código Penal — injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade, por causa de sua deficiência física. Ou seja, injúria qualificada. A ação foi protocolada na Vara Judicial de Campo Novo.

Em audiência de instrução e julgamento realizada no dia 9 de abril de 2019, a juíza Andrea Caselgrandi Silla extinguiu a punibilidade do réu, em razão da vítima ter se retratado da representação criminal. No Termo de Audiência, a vítima admitiu que a discussão ocorreu em momento de “forte emoção” e que a situação “está superada”, não desejando prosseguir com a representação.

“Assim sendo, ausente condição de procedibilidade, extingo a punibilidade do acusado. Intime-se o MP. Após, arquive-se com baixa. Presentes intimados. Nada mais”, registrou a juíza no documento.

Apelação do MP

Inconformado com a decisão da juíza, o Ministério Público interpôs recurso de apelação no TJ-RS, alegando que, por tratar-se de ação penal pública, não poderia ser extinta. Disse que é irretratável a representação após o oferecimento da peça inicial acusatória,

O MP destacou, ainda, que a emoção como vetor da prática do crime não exclui a culpabilidade, a tipicidade e a antijuridicidade do delito. Por isso, pediu que fosse declarado inválido o reconhecimento judicial da retratação da representação da vítima, a desconstituição da extinção da punibilidade do denunciado e o prosseguimento da ação penal.

Clique aqui para ler o acórdão

Clique aqui para ler o Termo de Audiência

088/2.15.0000328-6 (Comarca de Campo Novo)

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Leia também