Juiz pede explicações a Bolsonaro e Pazuello sobre censura na Saúde

Conselho profissional pode cobrar anuidade enquanto houver vínculo

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Medidas de restrição

Juiz pede explicações a Bolsonaro e Pazuello sobre censura no Ministério da Saúde

Bolsonaro e Eduardo Pazuello tem cinco dias para se pronunciar sobre ação que aponta censura no Ministério da Saúde
Antonio Cruz/Agência Brasil

O juiz Evandro Reimão dos Reis, da 10ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, deu prazo de cinco dias para que o presidente Jair Bolsonaro e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, se manifestem sobre uma ação popular que pede a interrupção imediata de medidas de restrição da liberdade de expressão imposta aos servidores do Ministério da Saúde.

Na mesma decisão, o magistrado ainda requisitou manifestação do Ministério Público Federal. A decisão foi provocada por ação popular ajuizado pelo deputado federal Jorge Solla (PT-BA).

Na ação, o parlamentar alega que os servidores foram obrigados a assinar termos de confidencialidade, com ameaça expressa de prisão sob alegado descumprimento da Lei de Segurança Nacional (Lei 7170/83). Teriam recebido ainda, em suas caixas de e-mail, aviso de que suas redes sociais particulares seriam monitoradas, em documento assinado pelo Conselho de Ética do Ministério da Saúde, que alertava:

“A função pública se integra na vida particular de cada servidor público e, por isso, os fatos verificados na conduta do dia a dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional”.

“Houve a violação expressa (…) da Carta Magna e as disposições da Lei de Acesso a Informação, uma vez que os réus em ato manifestamente ilegal, com nítido desvio de finalidade, criaram ‘normas de comportamento’ dos servidores lotados na pasta, buscando, a um só tempo, coibir a divulgação de dados do ministério, especialmente aqueles relacionados à Covid-19, conforme orientação governamental, sob o pálio de identificar e punir severamente o servidor que se manifestar contrários a tais ideias antidemocráticos”, diz trecho da peça.

Clique aqui para ler a decisão

Clique aqui para ler a ação popular


1025619-40.2020.4.01.3300

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de junho de 2020, 21h23

Leia também