Juiz suspende decreto que restringe acesso a Ilhabela (SP) pela balsa

Município não pode restringir entrada de proprietários de imóvel

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Diante da flexibilização das ações estatais de restrição de circulação de pessoas, deve prevalecer a liberdade de locomoção. Com esse entendimento, o juiz Vitor Hugo Aquino de Oliveira, da Vara Única de Ilhabela (SP), concedeu liminar que suspende todos os decretos municipais que restrinjam, de qualquer modo, o ingresso de pessoas na cidade por meio do sistema de travessia de balsas.

Prefeitura de IlhabelaMunicípio de Ilhabela, no litoral paulista

A medida foi adotada pela prefeitura para combater o coronavírus e acabou questionada na Justiça por moradores em ação popular. Segundo o juiz, se a própria prefeitura já editou atos normativos visando a retomada da atividade econômica e o relaxamento do isolamento social, a liberdade de ir e vir de todos os cidadãos deve prevalecer.

“Analisando a colisão entre os direitos fundamentais (individuais liberdade de locomoção/direito de propriedade e coletivo de saúde), com base na técnica da ponderação, considerando as ações dos Poderes Executivos Estadual e Municipal arrefecendo as ações que incentivam e orientam os cidadãos de que se deve permanecer em seus domicílios, deve-se reavaliar as premissas anteriores, porque não se pode, por simples comodidade do município, limitar, sobretudo, o inato direito de locomoção vale dizer, o direito constitucional de ir e vir”, disse.

O magistrado falou em “total ausência de razoabilidade” da Prefeitura de Ilhabela que “entende ter legitimidade para julgar o que é possível ou não as pessoas fazerem no continente ou de entrarem no seu território”. Para ele, a proibição de entrar no município pelo sistema de balsa é inconstitucional, pois viola o disposto no artigo 5º, LV, da Constituição Federal.

“Sendo inconstitucional, trata-se de ato que lesiona a moralidade administrativa, pois o ato passa a ser desonesto, a partir do momento em que o Poder Executivo restringe a circulação de pessoas e coisas, por meio qualquer meio de transporte, inclusive a pé, com base em ato normativo que contraria a Constituição Federal”, concluiu Oliveira.

Processo 1000721-72.2020.8.26.0247

Leia também