Ação popular não deve ser usada para pedir decretação de lockdown

Ação popular não deve ser usada para pedir decretação de lockdown

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

O Poder Judiciário não pode servir de órgão de investigação, muito menos de arma para pretensões políticas e/ou oportunistas dos autores populares. Com esse argumento, o juiz Evandro Carlos de Oliveira, da 7ª Vara de Fazenda Pública da Capital, extinguiu, sem julgamento do mérito, uma ação popular que buscava a decretação do lockdown em todo o estado de São Paulo.

Sede da Prefeitura de São Paulo

Segundo o magistrado, não basta para o conhecimento da ação popular a mera alegação de irregularidades, mas desprovida de suporte concreto, sendo necessário apontar os fatos imputados a cada um dos responsáveis, além de demonstrar o efetivo dano ao erário. “No presente caso, o autor não comprova a atuação indevida dos réus (prefeito e governador de São Paulo) e contrária ao ordenamento jurídico vigente”, afirmou.

Oliveira destacou que a ação popular é o meio constitucional posto à disposição de qualquer cidadão para anular um ato lesivo com participação do Estado, nos termos do artigo 5°, inc. LXXIII, da Constituição, mas não pode ser transformada em meio de investigação judicial, instrumento que não existente no ordenamento jurídico brasileiro.

“O autor não pode utilizar a via fácil da ação popular que não lhe impõe ônus algum, salvo comprovada má-fé, para impor ao Poder Judiciário o ônus de aparelhar adequadamente a inicial. O que se pretende, a rigor, é transformar a ação popular em ‘inquérito’ popular. O Poder Judiciário não é órgão consultivo ou investigatório. Deve, então, o autor descrever concretamente os fatos que fundamentam a sua pretensão, e não apenas fazer digressões aleatórias sobre a necessidade de decretação do lockdown“, completou o juiz.

Como a Lei da Ação Popular não estabelece ônus financeiros aos autores, salvo na “difícil hipótese” de se caracterizar litigância de má-fé, Oliveira afirmou que muitas pessoas “lançam pretensões absolutamente sem suporte, deixando o processo correr muitas vezes apenas pelo impulso do Ministério Público, para, depois, colher frutos políticos ou financeiros decorrentes da sucumbência”.

Por fim, o magistrado citou precedentes no sentido de que a ação popular não é a via adequada para imposição de obrigação de fazer ou não fazer. Assim, ele indeferiu a inicial e extinguiu o processo, sem julgamento do mérito. A defesa do governador João Doria foi conduzida pelo advogado Marcio Pestana, do escritório Pestana e Villasboas Arruda Advogados.

1026202-37.2020.8.26.0053

Leia também