Ato normativo abstrato não pode ser questionado por ação mandamental

Cidade não pode impedir trânsito de morador com outro domicílio

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

O mandado de segurança não pode ser utilizado como mecanismo de controle abstrato da validade constitucional das leis e dos atos normativos em geral, pois não substitui a ação direta de inconstitucionalidade. 

Para Fux, mandado de segurança contra ato normativo abstrato é incabível    Nelson Jr./SCO/STF

O entendimento é do Supremo Tribunal Federal, que extinguiu, sem resolução de mérito, mandado de segurança contra decreto que dispensou todos os membros do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). 

O caso foi julgado pelo plenário virtual e encerrado nesta sexta-feira (19/6). O relator foi o ministro Luiz Fux. O voto da ministra Cármen Lúcia não foi computado. O restante da corte seguiu o relator. 

Ao apreciar o pedido, Fux reafirmou o teor da Súmula 266 da corte, segundo a qual não cabe mandado de segurança contra lei em tese que, como norma abstrata de conduta, não lesa qualquer direito individual. 

“Trata-se de mandado de segurança incabível, mercê de combater ato normativo o qual que deve ser discutido, se for o caso, na seara processual objetiva, sob pena de transformar o mandamus em sucedâneo das ações de controle concentrado”, afirma o relator. 

Mandado de segurança

O MS foi ajuizado por Instituto Lana; Avante – Educação e Mobilização Social; Casa de Cultura Ilé Asé d’Osoguiã; Central Única dos Trabalhadores; Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares; Conselho Federal de Psicologia; Conselho Federal de Serviço Social; Gabinete de Assessoria Jurídica e Organizações Populares; Instituto Fazer História; e Associação Internacional Mailê Sara Kalí. 

As entidades contestam o Decreto 10.003/19, que além de dispensar os membros do Conanda, determinou a realização de reuniões trimestrais por videoconferência, ao invés de mensais presenciais; inseriu processos seletivos ao invés de eleições; determinou que a presidência do Conanda seria indicada e não mais eleita; entre outras alterações. 

Na ação, as instituições afirmam que o decreto viola a regra constitucional da prioridade absoluta de crianças e adolescentes e o dever geral de agentes, além da competência do Conanda para deliberar sobre seu próprio funcionamento, tal como definido por meio de seu Regimento Interno. Assim, solicitaram a reintegração dos membros dispensados. 

ADPF

O decreto presidencial também foi alvo de ação ajuizada pela Procuradoria-Geral da República, à época, chefiada por Raquel Dodge. Na véspera do fim do seu mandado ela impetrou uma arguição de descumprimento de preceito fundamental.

No fim de novembro, o ministro Luís Roberto Barroso suspendeu liminarmente o trecho que exonera os conselheiros do Conanda. Segundo Barroso, ainda que a estrutura da administração pública federal seja competência do chefe do Executivo, tal previsão tem limites na Constituição e nas leis. 

O ministro disse que as alterações no funcionamento do Conanda não poderiam ser feitas via decreto, mas sim por lei. Do modo como foi editada a norma, afirma, não houve debate no Congresso sobre um assunto “de extrema relevância para o país”. 

O decreto “frustra o comando constitucional” que garante a participação das entidades da sociedade civil e viola o princípio da legalidade, “uma vez que desrespeita as normas que regem o Conanda, tal como previstas na Lei 8.242/1991”, afirmou. 

Mudanças

A decisão de Barroso prevê a volta do mandato para conselheiros eleitos para o biênio 2019-2020 e a eleição dos representantes de sociedade civil e do presidente do conselho pelos conselheiros.

Além disso, libera reuniões mensais presenciais em vez de trimestrais por videoconferência, e prevê o pagamento do deslocamento de conselheiros que não moram no Distrito Federal.

Em fevereiro, o procurador-geral da República, Augusto Aras, comunicou que que tomou ciência da decisão de Barroso e que ela seria cumprida. Desta forma, a despeito da decisão colegiada sobre o mandado de segurança, os membros do Conanda, em tese, deverão terminar seus mandatos para o biênio 2019-2020.

Clique aqui para ler o voto de Fux

MS 36.684

Leia também