Vínculo afetivo com traficante não presume crime, diz Gilmar

Vínculo afetivo com traficante não presume crime, diz Gilmar

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Mera presunção

Vínculo afetivo com criminoso não presume associação ao tráfico, diz Gilmar

Por 

É perfeitamente possível a condenação de uma mulher por associação ao tráfico, ao se aliar com seu marido, para a prática do crime. Todavia, essa condenação não pode decorrer de mera presunção pelo simples fato de serem um casal. Com esse entendimento, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, absolveu casal que era acusado de traficarem drogas em conjunto e de forma estável.

Para ministro Gilmar Mendes, crime foi reconhecido porque no local vivia um casal 
Nelson Jr./SCO/STF

Nas instâncias ordinárias, a sentença de primeiro grau e o Tribunal de Justiça de São Paulo entenderam pela existência da associação, devido à dinâmica dos fatos.

Segundo o ministro Gilmar Mendes, a conclusão pela prática do crime decorreu apenas do fato de que, na suposta denúncia anônima, teriam afirmado que na residência havia tráfico de drogas e lá morava um casal.

O ministro citou precedente da 2ª Turma do STF e de sua relatoria, segundo o qual o Direito não impõe à mulher o dever de evitar a companhia de seu esposo, se, porventura, dedicado a atividades criminosas.

“Penso que é perfeitamente possível a condenação da mulher por associação ao tráfico, ao se aliar com seu marido, para a prática do crime. Todavia, no caso dos autos, a condenação decorreu de mera presunção, inadmitida no atual estágio do Direito Penal”, concluiu o ministro.

Clique aqui para ler a decisão

HC 183.361

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 7 de maio de 2020, 20h33

Leia também